Buscar
  • Vinicius Vital

MPF aponta que Pastor Everaldo agiu como 'proprietário' do governo de Rio - ONDA CERTA FM

Por IG - Último Segundo

Rio - A denúncia da Procuradoria Geral da República (PGR) responsável pelo afastamento de Wilson Witzel e pela prisão do presidente do Partido Social Cristão (PSC), Pastor Everaldo, concluiu que o pastor era o "proprietário" do governo do Rio.Galeria de Fotos



O pastor Everaldo seria o responsável por operar a máquina do governo com indicações de seus afilhados políticos para cargos em órgãos estratégicos do estado. Segundo a procuradora Lindôra Araújo, Everaldo gerenciava as contratações e o orçamento da Cedae (Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro), do Detran (Departamento Estadual de Trânsito) e da Secretaria da Saúde.



Indicadas para você MPF denuncia Witzel e mais 11 pessoas por organização criminosa Empresário denunciado em desvios na gestão Witzel esvaziou casa antes de fugir Deam de Nova Iguaçu prende homem acusado de estuprar e engravidar a filha de 14 anos

LEIA MAIS: Preso por corrupção, Pastor Everaldo já batizou Bolsonaro em Israel Everaldo está preso desde o dia 28 de agosto e é acusado por formar organização criminosa, mesma denúncia que recai sob Wilson Witzel. A defesa do pastor e de Witzel dizem que não há provas da existência de um grupo criminoso.

'Caixinha' na saúde

O empresário Edson Torres, apontado como operador de Pastor Everaldo, afirmou à Procuradoria-Geral da República (PGR) que a "caixinha de propinas" instituída dentro da Secretária de Saúde do governo Wilson Witzel (PSC) arrecadou R$ 50 milhões entre janeiro de 2019 a junho de 2020.

As revelações basearam a nova denúncia apresentada pela subprocuradora Lindôra Araújo na última segunda-feira, contra Witzel e o presidente do PSC, Pastor Everaldo - desta vez, por associação criminosa. Ambos fariam parte do "núcleo político" do grupo, responsável por lotear e direcionar verbas públicas em troca de propinas. O esquema, segundo a Procuradoria, repete o que havia sido feito nas gestões anteriores de Sérgio Cabral (MDB) e Luiz Fernando Pezão (MDB), presos da Lava Jato. Witzel seria "o novo rosto" do grupo e teria contado com apoio de Pastor Everaldo, um "veterano da corrupção", segundo a PGR, antes mesmo da eleição.

A "caixinha de propinas" instituída por Everaldo, segundo confissão de Edson Torres, foi abastecida por repasses feitos por cinco organizações sociais: Solidário, Nova Esperança, Mahatma Gandhi, Gnosis e Idab. A Nova Esperança, inclusive, era administrada por Marcos Pereira, irmão de Pastor Everaldo. Cada organização pagava ao grupo um porcentual que variava de 3% a 6% do valor dos contratos firmados com o governo Witzel. A propina iria para uma "caixinha", que era redistribuída ao governador (20%), Pastor Everaldo (20%), aos operadores Edson Torres (15%) e Victor Hugo (15%), e ao então secretário de Saúde, Edmar Santos (30%), hoje delator.

1 visualização
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now